Nuno Silva

Nuno Silva

Descobre a sua paixão pela música aos 14 anos começando a estudar guitarra clássica e, pouco tempo depois, guitarra eléctrica. Após ouvir a chamada da lua de Inverno forma com amigos o grupo Serpent Lore onde explora as sonoridades mais obscuras do Metal. Em 1998 grava uma maquete e dá alguns concertos na zona norte de Portugal. Em 1999 decide alargar conhecimentos musicais investindo na formação em piano clássico e teoria musical.

Frequenta em 2000-2003 o curso de Produção e Tecnologias da Música da ESMAE onde adquire conhecimentos sobre produção áudio, entre outros. Em 1999-2003 integra o projecto Mandrágora tocando percussões e guitarra de 12 cordas, participando activamente na composição do seu primeiro albúm e actuando ao vivo em diversas ocasiões, das quais se destaca a participação no EuroFolk 2002 em Parthenay, França. Em 2007, juntamente com José Correia, forma o projecto Elementos dedicado à exploração livre da fusão entre música e poesia. Em 2008-2010 volta a integrar o projecto Mandrágora tocando desta vez bouzouki grego e dulcimer.

Desenvolve, a partir de 2009, um interesse especial pelo repertório clássico e tradicional dos países do médio-oriente e desde então dedica-se ao estudo de instrumentos como o santur persa, saz e oud, técnica e repertório. Em 2012, após uma redefinição de estética musical, cria juntamente com José Correia, Luísa Bragança, Sérgio Henrique e Eloísa D’Ascenção o projecto Addūcantur, dentro do qual se dedica à composição de temas originais inspirados por todo um percurso de estudo da música étnica de culturas mediterrânicas.