Sérgio Henrique

Sérgio Henrique

Nasce no Porto no natal de 1982, no seio de uma família apaixonada por música que desde logo o influenciam com gostos que vão dos Led Zeppelin a Nina Simone ou a Bach. Começa a estudar órgão e formação musical aos 5 anos de idade, terminando este primeiro ciclo aos 14 anos após 3 anos na Escola de Jazz do Porto, onde descobriu o prazer pelo improviso com Diego Ebbeler, e a disciplina e teoria com Paulo Gomes, que o integrou como pianista no combo de jazz de jovens, da mesma escola. Nunca tendo perdido o gosto e prazer pelo piano, é a sua imobilidade que o faz mudar de rumo e dedicar-se à percussão.

Iniciou-se com djambé, até ter descoberto o seu congénere árabe, a darbuka, ainda mais pequena e leve, mais ajustada ao seu espírito
nómada e festivo. Auto didacta, segue estudando a linguagem dos ritmos árabes que adaptou aos outros instrumentos que foram surgindo na sua colecção, como o tar, riq e udu.

É em 2013 que,  já há muito esperado, se dedica também à família dos handpans, nomeadamente com um spacedrum. Muito embora a música tenha sido desde sempre a paixão mais vivida, é só em 2011 que embarca num projecto musical, nomeadamente os
Addūcantur. Partilha a partir de 2012 o palco com Pedro Viana, num projecto de fusão de percussões mediterrânicas e viola braguesa.
Integra como músico e co-fundador também em 2012 o Projecto Argila, dedicado à organização de várias experiências sensoriais.